Medjournal - Editora de Publicações Médicas Periódicas

 

Insulina de nova geração de ação ultra-rápida disponível em Portugal para pessoas com diabetes

 

A partir de julho, uma insulina de ação ultra-rápida de nova geração para administração às refeições é lançada no mercado português pela farmacêutica Novo Nordisk. Com esta insulina, passa a estar disponível mais uma opção terapêutica para as pessoas que vivem com diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2, para que tenham uma melhor qualidade de vida.

Esta insulina (insulina aspártico) permite assegurar, nos dois tipos de diabetes, um melhor controlo glicémico através de uma mais rápida absorção da insulina, contribuindo assim para uma maior redução dos picos de glicemia após as refeições. Esta insulina de nova geração, agora disponível para os portugueses, oferece uma solução mais próxima da resposta fisiológica, à semelhança do que acontece numa pessoa sem diabetes.

A absorção e disponibilização desta insulina é duas vezes mais rápida na corrente sanguínea, condicionando uma ação da insulina 74% superior nos primeiros 30 minutos comparativamente à insulina aspártico convencional. Estas características permitem às pessoas com diabetes obter uma maior redução da glicose no sangue e possibilitam a diminuição dos picos de glicemia após as refeições, de forma mais rápida.

“Muitas pessoas com diabetes apresentam níveis elevados de glicose no sangue após as refeições porque as insulinas de ação rápida atualmente disponíveis não são suficientemente rápidas a atuar. Este tem sido, aliás, um dos grandes desafios no tratamento das pessoas com diabetes, porque o mau controlo das glicemias após as refeições conduz a um aumento do risco de complicações relacionadas com esta doença” refere o endocrinologista Jácome de Castro.

A insulina aspártico proporciona igualmente uma maior flexibilidade de administração do que os restantes análogos de insulina disponíveis no mercado português, por controlar a glicose no sangue de forma efetiva, quando administrada imediatamente antes ou até 20 minutos depois do início da refeição, e foi estudada para  diversos perfis de pessoas com diabetes, sendo também possível a sua utilização em  pessoas com sistemas de perfusão contínua de insulina (bombas de insulina).

"Com a disponibilização de mais um tratamento no mercado que responde às necessidades específicas de doentes com diabetes tipo 1 e 2, que até aqui não tinham um medicamento com uma resposta tão positiva quanto a insulina rápida (bólus), conseguimos cumprir o nosso compromisso de ajudar a melhorar as respostas existentes para esta doença e possibilitar um maior acesso a tratamentos inovadores”, acrescenta Olga Insua, Diretora Geral da Novo Nordisk Portugal.

©2013 copyright Medjournal - Editora de Publicações Médicas Periódicas
Lusodados - Criação de websites