Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Sexta, 03 de Julho de 2020

Sociedade Portuguesa de Cardiologia e AstraZeneca desenvolvem estudo sobre Insuficiência Cardíaca

Há mais de 20 anos que os dados sobre a prevalência da doença em Portugal não são atualizados

Foi ontem assinado o memorando de entendimento que estabelece as linhas de colaboração entre a Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) e a AstraZeneca para a implementação do estudo PORTHOS (PORTuguese Heart failure Observational Study), que permitirá conhecer a prevalência atual da insuficiência cardíaca no nosso país, já que os últimos dados sobre esta matéria foram recolhidos em 1998 e publicados em 2002, no estudo EPICA. O início do estudo está previsto para o próximo mês de outubro, a partir do qual uma carrinha irá percorrer o país, realizando o levantamento de dados através de um conjunto de rastreios a mais de seis mil pessoas. Segundo projeções feitas a partir do estudo EPICA, estima-se que em Portugal possam existir 400.000 indivíduos adultos com Insuficiência Cardíaca, e que possa vir a ocorrer um aumento de 30% no número de doentes até 2034.

Victor Gil, Presidente da SPC, considera que “mais de vinte anos depois, com diferente enquadramento demográfico, com alterações profundas no tecido social e económico e até diferentes definições da insuficiência cardíaca, torna-se imperativo efetuar um novo estudo, de forma a melhor compreender a epidemiologia e com isto projetar melhores decisões clínicas, de organização de cuidados e políticas de saúde”.

A coordenação operacional será assegurada por uma Comissão Executiva, presidida pela Professora Doutora Cristina Gavina. A coordenação científica do estudo estará a cargo do Coordenador do Grupo de Estudos de Insuficiência Cardíaca da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, Prof. Doutor Silva Cardoso. No enquadramento estratégico, no apoio científico, e na execução do estudo estarão envolvidos dezenas de académicos e clínicos.