Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Quarta, 08 de Maio de 2024

Lagarta do pinheiro: veterinários partilham recomendações para prevenir o contacto e proteger os cães

Depois dos longos meses de inverno, a chegada do tempo mais quente convida a mais passeios e brincadeiras com os pets ao ar livre. Estes momentos, apesar de essenciais e saudáveis para os animais de companhia, exigem atenção redobrada já que podem esconder alguns perigos. Entre eles, o contacto, sobretudo dos cães, com a lagarta do pinheiro, muito comum nesta época do ano.

A lagarta do pinheiro ou “processionária” é um inseto desfolhador dos pinheiros e cedros e cujo nome deriva do facto de se deslocar em fila quando passa das árvores para o solo, para se enterrar e crisalidar. Durante esta deslocação, as lagartas libertam pelos urticantes que, ao entrarem em contacto com a pele, as mucosas e os olhos são causadores de alergias tanto em humanos como em animais.

A médica veterinária Cátia Fernandes, do AniCura Santa Marinha Hospital Veterinário, em Vila Nova de Gaia, partilha algumas recomendações para evitar o contacto com a lagarta do pinheiro:

  1. Evitar caminhar em zonas de pinheiros, abetos ou cedros, especialmente nas épocas de início da primavera ou final do inverno;
  2. Manter os cães com trela durante os passeios. Desta forma, é mais fácil retirá-los rapidamente de locais onde as lagartas sejam visíveis, já que muitas vezes despertam a curiosidade dos cães e o seu instinto é o de se aproximarem;
  3. Respeitar os sinais de aviso, quando existam, e evitar zonas com tratamentos inseticidas ou armadilhas para lagartas;
  4. Sempre que os cuidadores identificarem ninhos de lagartas em locais públicos devem contactar as autoridades competentes, geralmente, as autarquias.

Apesar dos esforços, em muitas ocasiões, não é possível aos cuidadores testemunharem o contacto do seu cão com a lagarta do pinheiro e, por isso, devem estar especialmente atentos a alguns sinais. Os sintomas desenvolvidos dependem da área afetada, da quantidade de toxina a que o cão foi exposto e do tempo decorrido, podendo surgir minutos ou horas após a exposição, e agravam-se com o tempo, “Por isso é tão importante atuar com rapidez, mesmo que os sintomas iniciais pareçam ligeiros”, alerta a Dra. Cátia Fernandes.

As manifestações que podem indicar uma reação alérgica e a necessidade de cuidados veterinários passam por uma mudança no comportamento do cão, alguma inquietação ou nervosismo. “Pode ter urticária generalizada, mais frequente no rosto, e procurar coçar-se ou esfregar-se – algo que o cuidador deve evitar para não libertar mais toxinas no organismo – vermelhidão na pele ou inchaço em qualquer parte do corpo também são comuns”, acrescenta a médica veterinária.

Se as toxinas tiverem entrado em contacto com os olhos é possível observar sinais de desconforto e dor ocular, inchaço ou fecho da pálpebra, resistência ao abrir o olho afetado, excesso de lágrima, sensibilidade à luz, bem como vermelhidão do olho, da pálpebra ou da conjuntiva, aparecimento de vesículas ou bolhas.

Se o cão tiver lambido, ingerido ou tentado ingerir uma lagarta do pinheiro, as áreas mais afetadas são a boca e o sistema digestivo, com possível envolvimento do sistema respiratório. “Nestes casos, é provável que se observe o inchaço do focinho e/ou dos lábios e da língua, salivação excessiva, náuseas, vómitos ou diarreia, vermelhidão das gengivas e alterações da cor da língua. Estas toxinas podem causar danos permanentes nestas áreas, levando à perda de tecido. Em caso de ingestão, as lesões podem propagar-se ao tubo digestivo”.

A inflamação pode propagar-se à garganta e às vias respiratórias, provocando uma obstrução que impede a respiração. Em situações extremas, também se pode verificar um choque anafilático, que se manifesta por fraqueza ou prostração extremas, respiração alterada, alterações da cor da gengiva e falta de reação a estímulos. Esta reação afeta os sinais vitais e pode ser fatal se não forem tomadas medidas imediatas.

Nos casos em que o cuidador identifique que o seu pet pode ter estado em contacto com a lagarta do pinheiro deve procurar o veterinário o mais rapidamente possível e abandonar o local, já que estas lagartas podem deixar vestígios de pelos ou de substâncias irritantes quando se deslocam. A interação com outros cães, o contacto com as mãos ou com a pele do cuidador também é de evitar. Logo que possível, devem ser realizadas várias lavagens e irrigações das áreas afetadas com soro fisiológico ou com água, incluindo o corpo, os olhos, a cavidade oral e a língua.

A médica veterinária considera que “é de extrema importância que os cuidadores estejam devidamente informados para que, em caso de contacto ou suspeita de contacto entre o seu cão e a lagarta do pinheiro, possam agir rapidamente e contactar de imediato o veterinário”.

Para mais informações consulte:

www.anicura.pt/conselhos-de-saude/cao/conselhos-de-saude-para-cao/o-que-fazer-se-o-meu-cao-entrar-em-contacto-com-a-lagarta-do-pinheiro/