Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Terça, 15 de Junho de 2021

Estudo investiga a ligação entre os media, líderes e a confiança na vacinação COVID-19

A CARMA, multinacional de Media Intelligence presente em Portugal, acabou de divulgar o seu mais recente estudo internacional "Trust in COVID-19 Vaccines", que revela o impacto dos media na opinião pública e na confiança nas vacinas. Os dados apresentam uma correlação clara entre a forma como os líderes políticos fizeram declarações sobre questões altamente científicas e complexas, e a hesitação na toma da vacina por parte da população.

Em dezembro, ficou claro que os líderes políticos, auxiliados pelos media, iriam liderar a promoção da toma da vacina. O seu nível de influência criou a oportunidade de fazer uma diferença significativa na necessidade de minimizar a hesitação da toma da vacina. Enquanto nos Estados Unidos da América os jornalistas eram mais propensos a recorrer aos comentários das empresas farmacêuticas, na França e na Alemanha (assim como em Portugal) a primeira escolha foram as autoridades governamentais e de saúde.

Grande parte da desinformação na Europa girou em torno de preocupações relacionadas com a vacina AstraZeneca e supostos coágulos sanguíneos fatais. A pesquisa da CARMA indica que a confiança na vacina AstraZeneca diminuiu significativamente de dezembro a março, coincidindo com uma vastidão de declarações de líderes políticos europeus e profissionais de saúde pública, incluindo o presidente francês Emmanuel Macron, que rotulou a vacina como "quase ineficaz acima dos 65 anos".

Mais de 40% das manchetes usaram linguagem emotiva em França e na Alemanha, com artigos sobre AstraZeneca e Pfizer respondendo por 70% das manchetes emotivas. A maioria dessas manchetes mais sensacionalistas foram publicadas em França.

Em Portugal 89% das manchetes foram factuais e 11% mais emotivas e sensacionalistas.

O impacto no comportamento do público é claro, com comentários sobre os potenciais efeitos colaterais correspondentes às crescentes preocupações das populações europeias sobre as vacinas. Enquanto a desconfiança francesa em relação à AstraZeneca atingiu 61% em março, mensagens positivas e sentimento de orgulho nacional na Grã-Bretanha fizeram registar níveis de desconfiança de apenas 9%. O relatório explica que o comportamento emotivo dos governos de toda a Europa, mais negativo em França comparado com a favorabilidade positiva na Grã-Bretanha, está relacionado com a confiança e com a aceitação das vacinas.

Os dados de pesquisa do Google contam a mesma história, pois apesar de as pesquisas no Reino Unido por coágulos sanguíneos, trombose e mortes atingirem o pico em linha com a cobertura negativa dos media (da mesma forma que aconteceu em França e na Alemanha), a confiança geral e a aceitação da vacina permaneceram maiores.

Luís Garcia, Managing Director da CARMA em Portugal, comentou:

“A confiança é crítica para o processo de aceitação da toma da vacina COVID-19 e a confiança por sua vez, é impulsionada pela clareza, consistência e certeza dos governos, ou pela falta das mesmas. Este estudo internacional da CARMA identifica o quanto as ações e comunicações de líderes políticos e porta-vozes são importantes, e como errar pode ter consequências significativas. Para além disso, este estudo demonstra que a desinformação não existe apenas nos cantos mais obscuros da esfera social e digital, reafirmando o papel fundamental que têm os nossos líderes e governantes. A forma como os governos e a sua liderança se comportam e comunicam tem um impacto significativo na opinião pública e no comportamento dos cidadãos. Nesta análise são identificados os fatores que podem ter contribuído para a confiança pública na vacinação, bem como o desempenho dos media comparando os tópicos e questões que motivaram a cobertura dos meios de comunicação social. Uma comunicação eficaz, informada e transparente nunca foi tão importante - a confiança demora muito a ser ganha, mas pode ser destruída em momentos.”

Este estudo CARMA combina monitorização de media feita por especialistas e análise com pesquisa de dados e market research. Investiga cada um dos principais fabricantes de vacinas – Pfizer, AstraZeneca, Moderna, Johnson & Johnson, Sputnik V, Sinopharm, Sinovac, Sanofi, Curevac e Novavax – analisando favorabilidade, liderança e confiança por região, incluindo Portugal. A CARMA examinou como é que os media mainstream mencionam a adoção e aplicação das vacinas COVID-19 num período crítico de 4 meses, entre Dezembro de 2020 e Abril de 2021. Abrangendo 12 países na América do Norte, Europa e Ásia, este relatório identifica fatores que podem ter contribuído para a confiança e vontade dos cidadãos em participarem no programa de vacinação.

Apresentação

>> Link Público para Download do Estudo:

https://carma.com/pt-pt/resource-hub/thought-leadership/confianca-nas-vacinas-covid-19/