Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Quarta, 07 de Outubro de 2020

Testes rápidos nasais da Biojam para diagnóstico do COVID-19 estão disponíveis para responder a requisitos de estratégia de autotestagem

      • Biojam Holding Group é parceiro estratégico no combate à COVID-19 em empresas, autarquias e instituições de ensino
      • Farmacêutica aposta em inovadoras soluções de diagnóstico, baseadas em testes rápidos de saliva e outros

      As novas normas que reforçam as medidas para controle da pandemia COVID-19, alargando a utilização de testes rápidos de antigénio em Portugal, entraram em vigor a 15 de fevereiro, mas há muito que fazem parte daquilo que é a estratégia da Biojam Holding Group.

      Tendo por base a recente actualização da Norma 019/2020 da Direção Geral de Saúde (DGS), os testes à COVID-19 devem ser realizados a cada 14 dias em escolas, prisões, fábricas, construção civil e outros espaços ou atividades de elevada exposição social, nos concelhos com incidência cumulativa superior a 480/100.000 habitantes. Esta é uma medida que surge após o anúncio da ministra da Saúde, Marta Temido, que defendeu na Assembleia da República, a "necessidade de utilizar massivamente testes" no combate à covid-19.

      Para Carlos Monteiro, CEO da Biojam, esta é uma medida há muito aguardada. Quando em meados de setembro lançou os testes rápidos no mercado português, fê-lo convicto que estes constituíam uma importante ferramenta de apoio à economia, tendo defendido que “os testes rápidos de antigénio constituem a opção mais rápida e económica para as empresas que pretendam testar os seus colaboradores, combatendo assim o impacto económico e social associado à abstinência laboral imposta pelos períodos de quarentena. Desta forma as empresas podem manter a sua actividade normal ao mesmo tempo que garantem a segurança de todos os colaboradores”.

      Atualmente, a Biojam é responsável pelo fornecimento de instituições de saúde e parceiro de empresas, estabelecimentos de ensino e autarquias que têm vindo a apostar no controlo da pandemia através de serviços de testagem regular, prestados pela Biojam. Com uma clara aposta nos mais inovadores sistemas de diagnóstico, como é o caso dos testes rápidos de saliva que já se encontram a ser utilizados de forma massiva em países como Alemanha, Áustria, Luxemburgo, Coreia do Sul, Itália e Espanha, entre outros, a Biojam tem vindo a promover as melhores práticas de controlo da pandemia, oferecendo serviços cada vez mais personalizados.

      De uma forma mais simples e sem o desconforto associado aos convencionais testes de antigénio que utilizam as zaragatoas para recolha de amostra, os testes rápidos de saliva permitem detectar, em apenas 10 minutos e de uma forma não invasiva, possíveis casos positivos de COVID-19. Com explica Carlos Monteiro, “a realização dos convencionais testes de antigénio, apesar de constituírem um processo rápido, não deixam de exigir uma técnica muito especializada na recolha da amostra e serem muito desconfortáveis, sobretudo para crianças, adolescentes e até adultos com sensibilidade ao método da zaragatoa. Além disso têm sido muito úteis em escolas, empresas e autarquias na medida conseguimos eliminar o desconforto mantendo a segurança dos testes que apresentam uma especificidade de 100% e uma sensibilidade de mais de 94%”.