Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Segunda, 21 de Junho de 2021

AbbVie recebe aprovação da Comissão Europeia para Venetoclax em combinação com um agente hipometilante em doentes com leucemia mieloide aguda recentemente diagnosticada que não são elegíveis para quimioterapia intensiva

  • Venetoclax em combinação com um agente hipometilante é um novo regime terapêutico aprovado pela Comissão Europeia (CE) para doentes com leucemia mieloide aguda (LMA) recentemente diagnosticada, que não são elegíveis para quimioterapia intensiva[i]
  • A aprovação baseia-se nos dados do programa clínico da AbbVie para venetoclax, incluindo o ensaio de Fase 3 VIALE-A, que demonstrou que os doentes tratados com venetoclax em combinação com azacitidina apresentaram melhoria na sobrevivência global, comparativamente com os doentes tratados com placebo em combinação com azacitidina[ii]
  • A aprovação baseia-se igualmente nos resultados do ensaio de Fase 1b M14-358 que demonstrou que os doentes tratados com venetoclax em combinação com azacitidina ou decitabina atingiram taxas de resposta elevadas[iii]

A AbbVie anunciou que a Comissão Europeia (CE) aprovou venetoclax em combinação um agente hipometilante, azacitidina ou decitabina, para o tratamento de doentes adultos com leucemia mieloide aguda (LMA) recentemente diagnosticada, que não são elegíveis para quimioterapia intensiva.1 A aprovação é válida em todos os 27 Estados-Membros da UE, bem como na Islândia, Liechtenstein e Noruega.

“Venetoclax demonstrou um aumento na sobrevivência global no tratamento de LMA recentemente diagnosticada, em doentes que não são elegíveis para quimioterapia intensiva tratados com venetoclax em combinação com azacitidina, comparativamente a doentes tratados apenas com azacitidina, afirmou Mohamed Zaki, vice-presidente e diretor do Departamento de Oncologia da AbbVie. Estamos entusiasmados por poder disponibilizar venetoclax a mais doentes,nomeadamente com LMA que podem beneficiar desta importante nova opção terapêutica nos países da UE.

Esta é a terceira nova indicação para venetoclax, um fármaco inovador, inibidor da proteína BCL-2. A BCL-2 é uma proteína que impede a apoptose das células tumorais, o processo que conduz à morte natural ou à autodestruição das células tumorais.1

Esta aprovação mais recente baseia-se nos resultados do ensaio clínico de Fase 3 em dupla ocultação, controlado com placebo (VIALE-A ou M15-656) e do ensaio clínico aberto de Fase 1b, não aleatorizado e multicêntrico (M14-358). O ensaio VIALE-A demonstrou que os doentes tratados com venetoclax em combinação com azacitidina apresentam uma mediana de sobrevivência global (OS) superior e estatisticamente significativa relativamente a doentes doentes tratados apenas com azacitidina (p <0,001).2 O ensaio de Fase 1b M14-358, que avaliou venetoclax em combinação com agentes hipometilantes, azacitidina ou decitabina, demonstrou um perfil de segurança global consistente com os perfis de segurança já conhecidos de venetoclax em combinação com azacitidina e dos dois fármacos individualmente.3

No estudo VIALE-A, os acontecimentos adversos (AA) graves notificados mais frequentemente no braço de venetoclax em combinação com azacitidina e no braço de placebo em combinação com azacitidina foram neutropenia febril, pneumonia, sépsis e hemorragia.2 No estudo M14-358, os AA graves notificados mais frequentemente nos doentes tratados com venetoclax em combinação com decitabina foram neutropenia febril, pneumonia, bacteremia e sépsis.3

“A aprovação pela Comissão Europeia da terapêutica combinada de venetoclax disponibiliza uma nova opção aos doentes que enfrentam um diagnóstico de leucemia mieloide aguda muitas vezes devastador, afirmou Zack Pemberton-Whiteley, presidente da Acute Leukemia Advocates Network. Esta aprovação constitui um avanço importante no tratamento da LMA e disponibiliza uma opção para os doentes que não são elegíveis para quimioterapia intensiva.

Em abril de 2021, a AbbVie anunciou que o Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) europeu tinha emitido um parecer positivo para a Autorização de Introdução no Mercado de venetoclax em combinação com agentes hipometilantes para o tratamento de doentes com LMA recentemente diagnosticada que não são elegíveis para quimioterapia intensiva.

Venetoclax está a ser desenvolvido pela AbbVie e pela Roche. Nos EUA, é comercializado em conjunto pela AbbVie e pela Genentech, membro do Grupo Roche, sendo comercializado pela AbbVie fora dos EUA.

Acerca da leucemia mieloide aguda

A LMA é a leucemia aguda mais frequente no mundo.[iv] Estima-se que, a nível global, a doença afete atualmente cerca de 160.000 pessoas.4 A taxa de novos casos de leucemia mieloide aguda é de 4,3 por 100.000 homens e mulheres por ano.[v] É ainda um dos cancros hematológicos mais difíceis de tratar.[vi] Apesar dos avanços nas terapêuticas e nos cuidados disponíveis, a taxa de sobrevivência a cinco anos para doentes diagnosticados com LMA mantém-se em cerca de 29 %.5 Normalmente, a LMA apresenta um quadro de agravamento rápido e, devido à idade e às comorbidades, nem todos os doentes conseguem tolerar quimioterapia intensiva.[vii]

Acerca do programa de ensaios clínicos de venetoclax na LMA

O programa de ensaios clínicos da AbbVie, para avaliar a combinação de venetoclax com um agente hipometilante em doentes com leucemia mieloide aguda (LMA) recentemente diagnosticada que não eram elegíveis para quimioterapia intensiva, incluiu dois estudos realizados em todo o mundo.

Ensaio de Fase 3 VIALE-A (M15-656)2

O ensaio VIALE-A (M15-656), um estudo aleatorizado, em dupla ocultação e controlado com placebo, avaliou a eficácia e a segurança de venetoclax em combinação com azacitidina em doentes com LMA recentemente diagnosticada que não eram elegíveis para quimioterapia intensiva. O estudo cumpriu os objetivos primários de melhoria estatisticamente significativa da sobrevivência global (OS) e resposta completa combinada (resposta completa [CR] + resposta completa com recuperação incompleta da medula [CRi]) (CR + CRi). A sobrevivência global foi de 14,7 meses no braço venetoclax + azacitidina, comparativamente a 9,6 meses no braço placebo + azacitidina, e a taxa de resposta completa combinada foi de 66,4%, comparativamente a 28,3%, respetivamente. O estudo cumpriu ainda os objetivos secundários, com uma taxa de CR de 36,7% no braço venetoclax + azacitidina, comparativamente a 17,9% no grupo placebo + azacitidina. O perfil de segurança de venetoclax + azacitidina foi consistente com os perfis de efeitos secundários conhecidos de ambos os fármacos, e os acontecimentos adversos (AA) foram consistentes com as expetativas para uma população mais idosa com LMA. Os AA graves notificados mais frequentemente no braço venetoclax + azacitidina e no braço placebo + azacitidina foram neutropenia febril (em 30 por cento e em 10 por cento dos doentes), pneumonia (em 17 por cento e 22 por cento dos doentes), sépsis (em 6 por cento e 8 por cento dos doentes) e hemorragia (em 9 por cento e 6 por cento dos doentes), respetivamente.2

Ensaio de Fase 1b M14-3583

O ensaio M14-358, um estudo não aleatorizado e aberto, avaliou venetoclax em combinação com azacitidina ou decitabina em doentes com LMA recentemente diagnosticada que não eram elegíveis para quimioterapia intensiva. Os doentes tratados com venetoclax em combinação com decitabina atingiram uma taxa de CR+CRi de 74 por cento e uma taxa de mortalidade a 30 dias de 6,5 por cento. O seguimento mediano foi de 40,4 meses (intervalo: 0,7 a 42,7 meses) para venetoclax em combinação com decitabina. Os AA graves notificados mais frequentemente (5%) nos doentes tratados com venetoclax em combinação com decitabina foram neutropenia febril, pneumonia, bacteremia e sépsis, com notificação de neutropenia em 35 por cento (todos os graus) e 35 por cento (grau 3 ou 4) dos doentes no braço venetoclax + decitabina. Não foram notificados acontecimentos de SLT laboratorial ou clínica com venetoclax em combinação com decitabina.

Acerca de venetoclax

Venetoclax é um medicamento inovador que se liga seletivamente e inibe a proteína BCL-2. Em alguns cancros hematológicos, a BCL-2 impede a morte natural das células tumorais ou o seu processo de autodestruição, denominado apoptose. Venetoclax tem como alvo a proteína BCL-2 e ajuda a restaurar o processo da apoptose.

Venetoclax está também aprovado em combinação com obinutuzumab para o tratamento de doentes adultos com leucemia linfocítica crónica (LLC) previamente não tratados, em combinação com rituximab para o tratamento de doentes adultos com LLC que receberam pelo menos uma terapêutica prévia, e em monoterapia para o tratamento de LLC na presença ou na ausência de deleção 17p ou mutação TP53 em doentes adultos que não são elegíveis para ou com falência à terapêutica com um inibidor da via do recetor das células B.1

Venetoclax está a ser desenvolvido pela AbbVie e pela Roche. Nos EUA, é comercializado em conjunto pela AbbVie e pela Genentech, membro do Grupo Roche, sendo comercializado pela AbbVie fora dos EUA. Em conjunto, as duas empresas estão empenhadas na investigação da BCL-2 e na realização de ensaios clínicos para avaliar a aplicação de venetoclax em diversos cancros hematológicos. Venetoclax está aprovado em mais de 80 países, incluindo os EUA.

Indicações e informação de segurança importante acerca de venetoclax na UE1

Indicações

Venetoclax em combinação com obinutuzumab é indicado para o tratamento de doentes adultos com leucemia linfocítica crónica (LLC) previamente não tratados.

Venetoclax em combinação com rituximab é indicado para o tratamento de doentes adultos com LLC que receberam pelo menos uma terapêutica prévia.

Venetoclax em monoterapia é indicado para o tratamento da LLC:

  • Na presença de deleção 17p ou mutação TP53 em doentes adultos que não são elegíveis para ou com falência à terapêutica com um inibidor da via do recetor das células B, ou
  • Na ausência de deleção 17p ou mutação TP53 em doentes adultos com falência à quimioimunoterapia e à terapêutica com um inibidor da via do recetor das células B.

Venetoclax em combinação com um agente hipometilante é indicado para o tratamento de doentes adultos com leucemia mieloide aguda (LMA) recentemente diagnosticada, que não são elegíveis para quimioterapia intensiva.

Este não é um resumo completo de toda a informação de segurança. Consultar o RCM de venetoclax em www.ema.europa.eu.

Acerca da AbbVie

A missão da AbbVie é descobrir e disponibilizar medicamentos inovadores que solucionem problemas graves de saúde do presente e que respondam aos desafios médicos do futuro. Trabalhamos para ter um impacto significativo na vida das pessoas em diversas áreas terapêuticas fundamentais: imunologia, oncologia, neurociências, doenças oftalmológicas, virologia, saúde da mulher e gastroenterologia, além dos produtos e serviços disponíveis no portefólio da Allergan Aesthetics. Para mais informações acerca da AbbVie, visite-nos em www.abbvie.com. Siga @abbvie no Twitter, Facebook, Instagram, YouTube e LinkedIn.

[i] Resumo das Características do Medicamento de Venetoclax. Ludwigshafen, Alemanha: AbbVie Deutschland GmbH & Co. KG.

[ii] DiNardo, C.D., Jonas, B.A., et al. A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study of Venetoclax With Azacitidine Vs. Azacitidine In Treatment-Naïve Patients with Acute Myeloid Leukemia Ineligible For Intensive Therapy: The Phase 3 VIALE-A Trial. (2020).

[iii] DiNardo CD, et al. Venetoclax combined with decitabine or azacitidine in treatment-naive, elderly patients with acute myeloid leukemia. Blood. 2019 Jan 3;133(1):7-17. doi: 10.1182/blood-2018-08-868752. Epub 2018 Oct 25.

[iv] Puty, T.C., Sarraf, J.S., Do Carmo Almeida, T.C. et al. Evaluation of the impact of single-nucleotide polymorphisms on treatment response, survival and toxicity with cytarabine and anthracyclines in patients with acute myeloid leukaemia: a systematic review protocol. Syst Rev 8, 109 (2019).

[v] National Cancer Institute (2018). Acute Myeloid Leukemia - SEER Stat Fact

[vi] American Cancer Society (2018). Typical Treatment of Most Types of Acute Myeloid Leukemia (Except Acute Promyelocytic M3). https://www.cancer.org/cancer/acute-myeloid-leukemia/treating/typical-treatment-of-aml.html. Accessed May 20, 2021

[vii] Pettit, K and Odenike, O. Defining and Treating Older Adults with Acute Myeloid Leukemia Who Are Ineligible for Intensive Therapies. Front Oncol. 2015; 5:250.