Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Quinta, 28 de Outubro de 2021

APCL, SPH e Novartis atribuem 15 mil euros ao melhor projeto de investigação sobre leucemia mieloide crónica

Já estão abertas as candidaturas para a bolsa de investigação sobre leucemia mieloide crónica (LMC), uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) e da Sociedade Portuguesa de Hematologia (SPH), desenvolvida em parceria com a Novartis, em que o melhor projeto recebe uma bolsa no valor de 15 mil euros com uma duração máxima de 18 meses. As candidaturas estão abertas até ao dia 21 de dezembro e a cerimónia de entrega do prémio será realizada no dia 8 de fevereiro.

“Esta é mais uma prova do nosso compromisso para com a investigação nesta e noutras áreas das doenças hemato-oncológicas. Apesar de relativamente rara, a LMC preocupa-nos pelo seu carater crónico e pelo impacto que tem na qualidade de vida dos doentes, por isso é muito importante para a APCL apoiar e incentivar a investigação científica e clínica nesta doença. ”, afirma Manuel Abecasis, Presidente da APCL.

João Raposo, Presidente da SPH, explica que: “A história natural da LMC sofreu importantes mudanças nas últimas décadas com a introdução de novas opções terapêuticas. Atualmente o número de pessoas que vivem com esta doença é cada vez maior e a esperança média de vida destas pessoas tem também vindo a crescer. O desafio reside agora no impacto na qualidade de vida deste número crescente de doentes. Esperamos com esta bolsa estimular projetos de investigação que nos ajudem a enfrentar este desafio”.

“A Novartis associa-se à APCL e à SPH na promoção da ciência em Portugal. Acreditamos que esta bolsa de investigação pode ser um importante contributo para o conhecimento sobre o impacto da LMC na vida dos doentes, de forma a identificar necessidades concretas que possam estar na base do desenvolvimento de soluções que melhorem a qualidade de vida das pessoas com diagnóstico de LMC.”, explica Maria Rita Dionísio, Diretora Médica da Unidade de Oncologia da Novartis Portugal.

Podem candidatar-se a esta bolsa todos os projetos subscritos por investigadores nacionais ou estrangeiros a trabalhar em instituições portuguesas e com formação profissional e/ou académica superior. Valorizam-se projetos de caráter multidisciplinar e de colaboração e parceria entre várias instituições, nomeadamente com associações de doentes.

O regulamento deve ser consultado no site oficial da APCL.As candidaturas podem ser enviadas para o email da APCL (bolsas@apcl.pt), responsável pela aceitação e gestão das mesmas.

Na leucemia mieloide crónica, os glóbulos brancos ainda não estão totalmente desenvolvidos e não são completamente normais. A maturação dos glóbulos brancos está alterada, resultando numa acumulação progressiva destas células nas várias fases do seu desenvolvimento. A sua eficácia no combate às infeções está diminuída e a capacidade da medula óssea para produzir glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas normais fica comprometida. Esta é uma doença rara. Surgem cerca de 1-1,5 novos casos/ano/100.000 habitantes. Em Portugal estimam-se cerca de 100-150 novos casos por ano. A LMC representa cerca de 15% do total de todas as leucemias. É ligeiramente mais frequente no sexo masculino, sendo geralmente diagnosticada entre os 50-60 anos de idade. É muito rara na infância.