Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Segunda, 04 de Outubro de 2021

Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo sensibiliza trabalhadores da construção civil para o cancro de pele na Tektónica 2021

Alertar para os riscos da exposição solar excessiva decorrente de atividades profissionais no exterior, sensibilizando para o cancro de pele em trabalhadores que exercem a sua atividade na construção civil é o objetivo da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo que, em parceria com a Sanofi Genzyme, estará na Tektónica - Feira Internacional da Construção, no dia 7 de outubro, a partir das 11h.

A iniciativa ‘De sol a Sol’ marcará presença junto da área reservada à AICCOPN - Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas e à AECOPS - Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços, que juntas dão o seu apoio a esta ação pela relevância e pelo papel da construção civil enquanto um dos maiores setores empregadores, sendo também um dos setores onde grande parte dos trabalhadores exerce a sua atividade ao sol.

Para João Maia e Silva, Presidente da APCC, “a iniciativa ‘De Sol a Sol’ tem-nos permitido chegar a setores da economia cuja atividade laboral é desenvolvida maioritariamente ao ar livre durante todo o ano, o que representa um risco acrescido de desenvolvimento de cancro de pele, em particular o cancro de pele não melanoma muito característico nestes trabalhadores. Por se tratar de um dos cancros mais diagnosticados em todo o mundo, é da maior importância alertar, sensibilizar e fornecer ferramentas que permitam uma proteção efetiva durante a atividade laboral, além de incentivar a consulta ao médico especialista perante qualquer sinal de alerta com vista a uma deteção precoce de possíveis lesões na pele”.

Apesar de o cancro de pele não melanoma raramente ser letal, a verdade é que tem um elevado impacto na qualidade de vida dos doentes, levando a tratamentos dolorosos com uma desfiguração provável na zona afetada, sendo que a face, as orelhas e os antebraços são as áreas com o maior número de diagnósticos devido à exposição repetida a longo prazo à radiação ultravioleta[1].

A campanha ‘De Sol a Sol’ quer desta forma alertar todas as pessoas que desempenham a sua atividade laboral ao ar livre como por exemplo, agricultores, pescadores e profissionais da construção civil para a importância da adoção de medidas de proteção e prevenção para uma vida saudável.

Saiba mais em https://tektonica.fil.pt/ / APCC Facebook / Linkedin Sanofi

[1] https://www.who.int/news-room/q-a-detail/radiation-ultraviolet-(uv)-radiation-and-skin-cancer