Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Segunda, 21 de Junho de 2021

Unilabs e DevScope desenvolvem algoritmo para apoiar diagnóstico clínico

Plataforma é a primeira a ser criada de raiz em Portugal e recorre à Inteligência Artificial

A Unilabs e a DevScope, em parceria, desenvolveram o primeiro algoritmo português de inteligência artificial (IA) de apoio ao diagnóstico clínico.

A plataforma está em testes-piloto na Unilabs desde Março, e, neste período, apenas no que respeita à deteção da bactéria helicobacterpylori, uma bactéria que se aloja no estômago ou intestino e que prejudica a barreira protetora e estimula a inflamação, aumentando ainda o risco de aparecimento de úlceras e cancro.

Já foram processadas, revistas e classificadas mais de 2.000 amostras.

Luís Menezes, CEO da Unilabs, explica que "os médicos nos nossos laboratórios veem as lâminas já com o suporte desta ferramenta para apoiar a sua decisão final. Quando o patologista recebe a imagem esta já vem com zonas que aparentemente podem ou não ter o que se está a procurar, incluindo uma sugestão do nível de infiltração da helicobacterpylori, o que quer dizer que o médico consegue ir diretamente aos locais que têm a patologia, ou seja, esta ferramenta permite obter resultados com maior rapidez e reduz a possibilidade de erro médico", sublinhando que “sendo uma ferramenta de apoio ao diagnóstico clínico, o médico é sempre o decisor final”.

Esta parceria começou a ser desenvolvida pela Unilabs com a empresa tecnológica portuguesa DevScope há um ano e meio.

O CEO da Unilabs afirma que "estas ferramentas de inteligência artificial de apoio ao diagnóstico são essenciais para ajudar os médicos a dar resultados ainda com mais qualidade. O objetivo agora é fechar o período de testes, terminar os 'papers' científicos que temos para fazer, aprovar este algoritmo como dispositivo médico, e será a primeira vez que tal acontece em Portugal, para depois comercializar esta ferramenta e exportá-la para outros mercados”.

Rui Barbosa, presidente executivo da DevScope, considera que a IA é uma "ferramenta capaz de fornecer inúmeros benefícios e acelerar a transformação na área da saúde. Uma maior precisão no diagnóstico, uma otimização no que diz respeito ao armazenamento de dados e o seu processamento [transformar dados em informação], pega numa ampla base de dados de diagnósticos anteriores, aprende e depois permite transformar em 'software' tudo o que tem a ver melhor melhoria dos recursos, do tratamento de patologias".

A IA é um ramo da ciência de 'software' e computação que simula a capacidade humana de raciocinar, de ver, tomar decisões e resolver problemas, permitindo otimizar os processos, sendo que no setor da saúde fornece inúmeros benefícios.