Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Quinta, 20 de Maio de 2021

ZAP X - o sistema mais avançado e menos invasivo de radiocirurgia giroscópica, para tratar tumores de cabeça e pescoço com elevada precisão

O equipamento de Radiocirurgia Giroscópica ZAP X tornou-se no sistema de radiocirurgia estereotaxia cerebral mais avançado da atualidade, tendo por objetivo tratar lesões benignas e malignas do cérebro, cabeça e pescoço com elevada precisão e de forma não invasiva. Este equipamento dedicado à radiocirurgia é um sistema autónomo que não requer um bunker de proteção radiológica, é desenvolvido e fabricado pela ZAP Surgical Systems, Inc., de San Carlos, Califórnia e é o primeiro sistema deste tipo que não requer salas de tratamento blindadas.

Em todo o mundo, existem seis os equipamentos instalados nos Estados Unidos, dois na Alemanha e um na Suíça e, em breve, espera-se que outros países europeus adquiram esta tecnologia para Radiocirurgia Estereotáxica Cerebral de nova geração.

A radiocirurgia estereotáxica cerebral é uma terapia não cirúrgica e não invasiva de elevada precisão aplicada no tratamento de lesões benignas, malignas e funcionais no cérebro, cabeça e pescoço, entre outros tumores e metástases intracranianos e lesões da coluna cervical. Consiste na aplicação de radiação direcionada com precisão numa única sessão, em doses mais elevadas do que a radioterapia tradicional, o que ajuda a preservar o tecido saudável que circunda as lesões a serem tratadas.

Estima-se que todos os anos 2 milhões de pessoas em todo o mundo sejam elegíveis a radiocirurgia cerebral estereotáxica. Porém, devido à elevada complexidade e aos custos da radiocirurgia com equipamentos convencionais, apenas cerca de 150.000 pessoas acabam por beneficiar desta terapia inovadora.

Capacidades do ZAP X

O ZAP X é um sistema específico de radiocirurgia estereotáxica (SRS) para o tratamento eficaz de muitos cancros do cérebro, incluindo tumores cerebrais primários e metastáticos. É considerado uma alternativa equivalente à cirurgia para muitas destas patologias, sendo um procedimento ambulatorial, que não requer incisão cirúrgica ou anestesia e com rápido período de recuperação do paciente.

Isto é conseguido através do uso de robótica guiada por imagens e dosimetria in vivo, para fornecer radiação com precisão cirúrgica e destruir lesões intracranianas ou cervicais, incorporando um acelerador linear de 3 MV (linac) e oito colimadores. As suas características técnicas permitem que o paciente seja reposicionado durante o tratamento, bem como o tratamento das lesões com sistemas de fixação não invasivos e o direcionamento de elevadas doses de radiação apenas para a área desejada de acordo com o tratamento previamente planificado.

Atualmente, o ZAP X é o único sistema que usa o movimento giroscópico para direcionar a radiação a partir de uma infinidade de ângulos que concentram com precisão a radiação no alvo, que é o tumor. Graças ao seu funcionamento singular, as doses de radiação dissipam-se rapidamente nas zonas que vão para além do tumor, ajudando assim a proteger o tecido cerebral saudável.

A administração precisa da dose de radiação é determinante para a radiocirurgia estereotáxica. Os sistemas atuais têm uma capacidade limitada de verificar se a dose de radiação está a ser distribuída de forma precisa e correta. O ZAP X, por outro lado, aborda esta questão através de um sistema de tratamento totalmente integrado que inclui um scanner e equipamento de dosimetria patenteado durante o tratamento. Ambas as soluções controlam e verificam continuamente durante o tratamento se a posição do paciente e a dose de radiação recebida não variam em relação aos parâmetros e valores planificados. Este sistema demonstrou ser capaz de gerir com exatidão os dados necessários para confirmar a precisão do tratamento, de acordo com um estudo publicado na Cureus.

O seu sistema de blindagem é composto principalmente por ligas de aço, chumbo e tungstênio. É totalmente seguro, pois segundo estudos realizados, os níveis de radiação esperados fora da blindagem do ZAP-X são seguros para as pessoas - apenas 1,0 mili sievert por ano (mSv/ano), enquanto a blindagem de um bunker de tratamento típico, que é desenhado para proteger os trabalhadores da radiação, pode receber uma dose anual máxima equivalente a 50 mSv. Os valores do ZAP-X estão de acordo com os padrões das diretrizes clínicas definidas nos relatórios do National Council on Radiation Protection (NCRP) dos Estados Unidos.

Por outro lado, as fugas de radiação no plano do paciente não devem ultrapassar o limite estabelecido pela International Electrotechnical Commission (IEC), que é atualmente de 0,1% do total da radiação primária. No caso do ZAP X, a fuga de radiação ao longo do acelerador linear e da cabine do colimador é apenas de 0,00068% da intensidade da radiação primária, um valor mais de 100 vezes inferior ao limite de fuga de 0,1% estipulado pela IEC. Assim, a fuga dos colimador está em conformidade com os standards internacionalmente definidos e aceites, segundo um outro estudo também publicado na Cureus.

Por fim, a simplificação da instalação do ZAP X, além de manter a segurança, conta com a vantagem adicional de diminuir os custos da radiocirurgia estereotáxica cerebral, que, portanto, pode passar a ser acessível a um número maior de pacientes.