Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR
Sexta, 25 de Setembro de 2020

Estudo de fase 4 indica benefícios clínicos de ADEMPAS® (riociguat) em doentes com hipertensão arterial pulmonar que apresentem uma resposta insuficiente aos inibidores da PDE-5

A MSD anunciou no dia 7 de setembro a apresentação dos resultados do REPLACE, um estudo de fase 4 global, aleatorizado, controlado e em regime aberto que se destina a avaliar doentes com hipertensão arterial pulmonar (HAP) que transitem para o tratamento com o estimulador da guanilato ciclase solúvel (sGC), Adempas® (riociguat) devido a uma resposta insuficiente à terapêutica com inibidor da fosfodiesterase-5 (PDE5i). O estudo cumpriu o objetivo primário e mostrou uma melhoria clínica na semana 24, definida como dois dos seguintes eventos: aumento ≥ 10%/≥ 30 metros na distância percorrida no teste de marcha dos 6 minutos (TM6M) versus o valor basal, classe funcional I/II da OMS ou redução ≥ 30% na pró-hormona N-terminal do peptídeo natriurético cerebral (NT‑proBNP) em relação ao valor basal, na ausência de agravamento clínico. O agravamento clínico foi definido como morte devido a qualquer causa, hospitalização devido a agravamento da HAP ou progressão da doença. O dobro dos doentes no grupo de riociguat atingiu o objetivo primário composto de melhoria clínica em comparação com o grupo de PDE5i (41% versus 20%, respetivamente) (OR = 2,78; IC de 95% [1,53 – 5,06]; p = 0,0007).

Os resultados de segurança são consistentes com o perfil de segurança conhecido de riociguat. Os dados do estudo REPLACE (Comunicação n.º 3802), que faz parte da colaboração entre a Bayer e a MSD, foram apresentados no Congresso da Sociedade Respiratória Europeia (ERS, European Respiratory Society), que ocorreu virtualmente entre os dias 7 e 9 de setembro de 2020.

“Na prática clínica, vários doentes com HAP tratados com inibidores da PDE-5 poderão não atingir ou manter objetivos de tratamento específicos”, disse a Dra. Paula Martins de Jesus, Diretora Médica da MSD Portugal. “O REPLACE indicou que os doentes com HAP que apresentem uma resposta insuficiente aos inibidores da PDE-5 podem beneficiar da transição para riociguat, constituindo, assim, uma possível opção para o escalonamento do tratamento. Isto também significa que os doentes podem permanecer em monoterapia ou em combinação de terapêutica dupla antes de adicionar outros tratamentos específicos”.

Sobre o estudo REPLACE

O REPLACE (Riociguat rEplacing PDE-5i Therapy evaLuated Against Continued PDE-5i thErapy) é um estudo de fase 4 global, multicêntrico, com dois braços, aleatorizado, controlado e em regime aberto. Realizado em 81 centros em 22 países, avaliou os efeitos clínicos da transição para riociguat a partir de doentes com HAP que demonstraram uma resposta insuficiente ao tratamento com inibidores da PDE5, tanto em monoterapia como em combinação com um antagonista do recetor da endotelina (ERA). O modo de ação do riociguat é distintivamente diferente do modo de ação dos inibidores da PDE-5, uma vez que funciona independentemente dos níveis de óxido nítrico (NO) endógeno.

O estudo de 24 semanas envolveu 226 doentes com HAP de risco intermédio em tratamento com inibidores da PDE-5 (sildenafil ou tadalafil) com ou sem combinação de ERA. O risco intermédio foi definido como CF III da OMS, com um TM6M entre 165 e 440 m, com base nas diretrizes de tratamento da Sociedade Europeia de Cardiologia/Sociedade Respiratória Europeia (ESC/ERS). Os doentes foram aleatorizados para transitarem da terapêutica com PDE5i para riociguat ou para se manterem no regime de tratamento atual. No braço de riociguat, o medicamento do estudo foi iniciado após um período sem tratamento de um a dois dias, dependendo do PDE5i prescrito anteriormente, seguido do período de ajuste da dose habitual de 8 semanas (até 2,5 mg, três vezes ao dia) e depois de uma fase de manutenção de 16 semanas.

O dobro dos doentes no grupo de riociguat atingiu o objetivo primário composto de melhoria clínica na semana 24 em comparação com o grupo de PDE5i. As taxas de resposta foram consistentes com os resultados gerais nos diferentes tipos de terapêuticas para HAP e pré-tratamento. Um número significativamente inferior de doentes no grupo de riociguat (1%) sofreu um evento de agravamento clínico em comparação com o grupo de PDE5i (9%) (OR = 0,10; IC de 95% [0,013 – 0,725]; p = 0,0047). O tempo até ao primeiro evento de agravamento clínico foi significativamente mais longo com riociguat comparativamente aos PDE5i (p = 0,007).

O estudo REPLACE confirmou que riociguat é geralmente bem tolerado em doentes que transitaram dos inibidores da PDE5. As taxas globais de eventos adversos foram semelhantes entre os grupos de tratamento (71% no caso de riociguat versus 66% no caso de PDE5i), com uma incidência superior de eventos adversos graves no grupo de PDE5i (17%) em comparação com o grupo de riociguat (7%).

A estrutura do estudo REPLACE de fase 4 teve por base os resultados do estudo RESPITE, um estudo-piloto de 24 semanas com riociguat, em doentes com HAP que apresentaram uma resposta clínica insuficiente ao tratamento com inibidores da PDE-5, que foi apresentado no Congresso Internacional da Sociedade Respiratória Europeia (ERS) de 2016 em Londres.

Sobre o Adempas® (riociguat)

A Bayer e a MSD (nome comercial da Merck & Co Inc., Kenilworth NJ, EUA) colaboram a nível mundial no setor dos moduladores da sGC. A colaboração reúne duas empresas líderes que declararam a sua intenção de avaliar completamente esta classe terapêutica em áreas com necessidades médicas não satisfeitas. O ADEMPAS®, o primeiro estimulador da sGC desta colaboração, é desenvolvido pela Bayer e pela MSD. Foi concedida a autorização de introdução no mercado nos EUA, no Canadá, na UE, no Japão e em vários outros países em todo o mundo.

Sobre a MSD

Há mais de 125 anos que a MSD, sob o mote “Inventing for Life”, apresenta medicamentos e vacinas para muitas das doenças mais desafiantes do mundo, tendo como missão salvar e melhorar vidas. A MSD é o nome comercial da Merck & Co., Inc., com sede em Kenilworth, N.J., EUA. Demonstramos o nosso compromisso com a saúde dos doentes e da população ao aumentar o acesso a cuidados de saúde através de políticas, programas e parcerias abrangentes. Atualmente, a MSD continua a estar na linha da frente da investigação para prevenir e tratar doenças que ameaçam pessoas e animais (incluindo cancro, doenças infeciosas, como o VIH e o Ébola, e doenças animais emergentes) e ambicionamos ser a principal empresa biofarmacêutica de uso intensivo da investigação no mundo. Para mais informação, visite www.msd.pt e ligue-se a nós no Twitter e no LinkedIn.

Declarações sobre o futuro da Merck & Co., Inc., Kenilworth, N.J., EUA

Este comunicado de imprensa da Merck & Co., Inc., Kenilworth, N.J., EUA (a “empresa”) inclui “declarações sobre o futuro” no âmbito das disposições dos princípios de “porto seguro” da Private Securities Litigation Reform Act dos EUA de 1995. Estas declarações têm por base as crenças e expetativas atuais da direção da empresa e estão sujeitas a incertezas e riscos significativos. Caso os pressupostos subjacentes se revelem imprecisos ou se os riscos ou as incertezas se materializarem, os resultados reais podem diferir materialmente dos estipulados nas declarações sobre o futuro.

Os riscos e as incertezas incluem, entre outros, condições gerais da indústria e concorrência; fatores económicos gerais, incluindo flutuações nas taxas de juro e nas taxas de câmbio; impacto do recente surto global da nova doença pelo coronavírus (COVID-19); impacto dos regulamentos da indústria farmacêutica e legislação de cuidados de saúde nos Estados Unidos e a nível internacional; tendências globais para a contenção dos custos dos cuidados de saúde; avanços tecnológicos, novos produtos e patentes obtidos pela concorrência; desafios inerentes ao desenvolvimento de novos produtos, incluindo a obtenção de aprovação regulamentar; capacidade de a empresa prever com precisão futuras condições do mercado; dificuldades ou atrasos na produção; instabilidade financeira das economias internacionais e risco soberano; dependência da eficácia das patentes da empresa e de outras proteções de produtos inovadores; e exposição a litígios, incluindo litígios em matéria de patentes e/ou ações regulamentares.

A empresa não se compromete em atualizar publicamente qualquer declaração sobre o futuro como resultado de novas informações, futuros eventos ou outros casos. Os fatores adicionais que podem fazer com que os resultados sejam materialmente diferentes dos descritos nas declarações sobre o futuro encontram-se no relatório anual de 2019 da empresa, no formulário 10-K, e noutras declarações apresentadas pela empresa à Securities and Exchange Commission (SEC), disponíveis no website da SEC (www.sec.gov).