Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de privacidade e o uso de cookies ACEITAR

Terça, 06 de Outubro de 2020

Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia congratula os vencedores do Nobel da Medicina

O Prémio Nobel da Fisiologia ou Medicina deste ano foi hoje atribuído ao trio de investigadores Harvey J. Alter, Michael Houghton e Charles M. Rice, que de modo muito direto, contribuíram para a identificação do vírus da hepatite C, em 1989.

Esta descoberta permitiu, entre muitos avanços, identificar quem tinha e tem hepatite C e tornar as transfusões praticamente 100% seguras. Os tratamentos para a hepatite C iniciaram-se por volta de 1988 com taxas de cura perto dos 6%.

A hepatite C é provocada por um vírus, que tem uma característica ameaçadora para quem o contrai, ou seja, na grande maioria dos casos, torna-se crónico e silencioso, podendo perdurar durante décadas. Esse processo vai destruindo o fígado e desencadeando, nalguns casos, a cirrose e o cancro do fígado, um dos cancros de pior prognóstico.

Neste momento é muito fácil tratar e eliminar o vírus da hepatite C: através de antivíricos orais, em 8-12 semanas, sem efeitos secundários, consegue-se a eliminação definitiva em quase 100% dos casos.

Para o Prof. Doutor Rui Tato Marinho, presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia “o Nobel atribuído à hepatite C é um pouco nosso, dos gastrenterologistas e hepatologistas, que a par de outros colegas têm estado no terreno, garantindo que todos os nossos doentes façam o melhor tratamento, da forma mais rápida” e sublinha que “estimamos que ainda existam em Portugal cerca de 40.000 infetados com o vírus a necessitarem de tratamento”.

“Esperamos que este Nobel contribua para alcançar o objetivo da Organização Mundial da Saúde, com a eliminação da hepatite C como importante problema de Saúde Pública em 2030”, termina o presidente da Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia.